AAAAAAAAA
AGORA JÁ CHEGA!

A procastinação é uma coisa muito forte, bicho!
Tive que dar uma surtadinha aqui pra vir aqui um pouco e escrever, coisa que quero sempre, mas por algum motivo não faço.

Eu escrevia tanto - quase todos os dias na verdade - quando comecei a bloggar lá pelos meus 13/14 anos.  Acontece que em sua maioria, os momentos que me levavam a escrever eram frustrações, insatisfações, reflexões, crises existenciais, etc e tal.

Eis que não tenho parado pra contar o meu dia a dia, não tenho parado pra criar novas músicas, crônicas, contos, poemas... Sinto falta do meu Eu mais criativo, mas tenho medo que esse Eu existia fruto das frustrações. Será que não tenho feito mais nada do tipo por estar feliz?

Alcancei meu objetivo e me sinto realizada... Mas menos produtiva.

Agora tenho portas abertas! Tenho mais tempo! Tenho colegas pra dividir isso! Tenho equipamento à disposição! O que falta??
A maldita inspiração, um pouco de dedicação a isso também talvez, ou organização do meu tempo... Bem provável.

Tenho a vontade de fazer de tudo, mas não estou fazendo NADA. Isso claramente me incomoda: eu não sei o que fazer primeiro, não sei quando fazer cada coisa, não sei nem se realmente vou fazer algo.

Abstrato demais né? Sim... Quero fazer fotos, edições, curtas, histórias, clipes, oficinas, ler livros, ver séries (sim, gente, até nisso eu tô procastinando), e rever coisas também! - o que me deixa culpada, pois como vou dizer que estou aproveitando meu tempo revendo coisas que já vi se tem tanta coisa nova pra explorar? - quero cantar, quero aprender instrumentos, e quem sabe dança?? ou mesmo confeitaria, costura, sem algum peso na consciência quanto minha saúde, meu peso, meu corpo. Já não basta os limites de tempo e dinheiro, tenho que me limitar na mente e no corpo também?!

Eu não consigo fazer nada, não consigo ser nada.

Mas foi só ter feito o primeiro passo - abrir essa página em branco - e começar a por isso pra fora, que já fiz algo. Já retomei a frustração que antes era a fonte da minha criatividade.

Era só dar um primeiro passo.

Agora quem sabe darei outro...



Aqui a gente tá falando de duas linguagens universais,
a expressão corporal e a arte entendidas
mesmo sem idiomas iguais 

juntas elas são o meio e a mensagem
que expressam vivências, críticas, reflexões
que exploram o sentimento e o físico nos lugares que ocupam, 
para outros corpos via as várias transmissões 

o corpo é a primeira ferramenta, anterior as extensões 
e ele luta para ser visto, respeitado, entendido
aceito, amado, protegido

ou pra contar uma história, um pensamento, memória,
dor e aflição, mas também vitória,
o que acha bonito, palavra aleatória,
arte transitória, dificilmente notória, 
expondo palmatória, fala ditatória,
ação depredatória, ejaculatória....

O corpo é a mensagem e a arte é o meio
o meio é o corpo e a mensagem é a arte
o corpo é a arte e a arte é o corpo
você não é só o corpo, é arte
eu não sou só meu corpo, sou parte.


Poeminha que fiz pra introduzir um dos meus seminários de Teorias da Comunicação, agregando o tema Corpo e Arte, focando na performance e estudos acadêmicos a respeito, também costurando com outros temas do semestre como McLuhan e sua teoria de que o meio é a mensagem. 

Feliz demais que não poderia ter sido melhor na minha imaginação, aplausos logo no início do seminário após recitá-lo e ser questionada "Quem é o autor?". Não ficaram mais surpresos do que eu, provavelmente hehehe :)

Espero que tenham gostado, beijos!

Lariih 


Olá pessoas,

Das coisas que ando fazendo no curto de Midialogia na UNICAMP ainda não trouxe nada pra cá, então aqui vão algumas fotinhas que fiz com intenção de enviar pra matéria de Fotografia que temos na grade.

As fotos a seguir são da Pietra Bertola, minha amiga e colega de classe :) Fizemos no vão de passagem do Instituto de Artes para o prédio da Midialogia, lugarzinho que bate umas sombras interessantes. A intenção foi brincar com o aumento das sombras e do contraste, deixando um pouco de luz dura conforme a sequencia.













Recebi críticas de que a técnica de luz dura não casa bem com fundo com muita informação, como esse pichado. Particularmente amei as fotos, mas vou prestar atenção nisso e aguardo mais comentários do meu professor.

E a seguir exibo as fotos da Bruna Montarani, feitas pela Praça da Paz e no jardim do Instituto de Biologia da UNICAMP. A ideia, por saber que teria muito verde, era brincar com o contraste das cores, então produzi a modelo em vermelho, mas também com uma sequencia cinza claro > vermelho >  preto na parte de cima.  Acabou que gostei mais das fotos com fundo terroso do que as com folhas verdes hehe.

















Nenhuma das fotos tem edição, é um plano pro futuro, pois vai consumir muito tempo meu de aprendizado. Espero que gostem :)


Beijos, 


Lariih